domingo 28 novembro 2021
Perspectivas

A vida, o tempo e o Senhor de todas as coisas

Não tenho a pretensão de fazer uma abordagem filosófica deste tema: a vida como a existência empírica, o tempo como a prisão limitante e Deus como uma força energizante. Pelo contrário, minha intenção é lançar um olhar teológico sobre a passagem de Eclesiastes capítulo 3 e ver como a vida e o tempo se submetem ao Senhor no cumprimento da Sua vontade.

Salomão foi o terceiro rei de Israel, conhecido por sua sabedoria e grandes realizações em seu reinado. No livro de Eclesiastes ele fala muito sobre alguns aspectos vivenciais absolutamente pessoais. Ele fala de experiências agradáveis, descobertas ruins, acontecimentos do dia a dia, enfim, todas aquelas coisas que fazem parte do processo de crescimento na maturidade. Assim como ele, entre erros e acertos, descobertas e mudanças no tempo, nós vamos construindo nossa vida debaixo da graça do Senhor de todas as coisas.

Uma consideração relevante de Salomão é que, nesta vida, coisas boas e coisas ruins se misturam. Há tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar, tempo de guerra e tempo de paz (vs 2, 5, 8). Há momentos em que estamos extasiados pela alegria e no momento seguinte, dominados pela tristeza; momentos que se alternam e nos fazem lembrar que o céu não é aqui. Por mais que tenhamos planejado algum evento ou situação, a percepção da vida nos faz lembrar que coisas ruins podem acontecer em algum momento.

Ao mesmo tempo, Salomão aponta para a realidade de que todos os eventos da vida são passageiros, sejam eles bons ou ruins. Ele fala de plantar e arrancar o que se plantou (vs 2), derrubar e construir (vs 3), espalhar pedras e ajuntar pedras (vs 5) como sinais temporais da ação humana. Tudo é passageiro. Está tudo bem na sua vida? Vai passar! Está tudo ruim em sua vida? Também vai passar. Nós choramos o que tem para chorar, lamentamos o que tem para ser lamentado, mas após isso nos levantamos e seguimos em frente porque há muita coisa ainda para ser vivida, experimentada e compartilhada.

Mas há uma realidade que não muda nunca: o Ser de Deus. Na linguagem teológica o termo imutabilidade Divina é usado para descrever uma característica que só Deus tem. Ele não está preso ao tempo, não pode ser afetado pelos acontecimentos repentinos e surpreendentes, pelo contrário, Ele é o criador de tudo - até do tempo. Seu caráter não muda, Seu poder não sofre desgaste, Sua soberania não é jamais ameaçada por impeachment humano ou celestial e, por isso, Ele pode cumprir todo o propósito que tem designado para o universo e para a nossa vida. O Salmo 103.19 afirma: “Nos céus estabeleceu o Senhor o Seu trono, e o Seu reino domina sobre tudo”. Hebreus 13.8 também afirma: “Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre”. O Deus eterno não está preso ao tempo. Por isso, creia que o Senhor soberano de todas as coisas é quem controla o tempo e a vida, inclusive a sua.

Por fim, aproveito para parabenizar o Jornal de Jales na pessoa de seu diretor Deonel Rosa Júnior pela marca histórica em comemorar seu 50º aniversário. Nenhuma conquista se dá sem lutas e perseverança. E através dessa conquista toda a cidade se beneficia pela informação segura e por diversos pontos de vista que, sejam convergentes ou divergentes, apontam para a liberdade de opinião responsável que caracteriza a verdadeira imprensa.

Muitas vezes este Jornal teve que noticiar eventos ruins; outras vezes foram notícias estupendas, mas sempre dentro de um espírito democrático e criterioso. No meio de tudo isso, Deus continua sendo o Senhor sobre a nossa cidade. Meu desejo é que este mesmo Deus possa continuar abençoando este jornal e nossa cidade para a glória Dele mesmo.

 Rev. Onildo de Moraes Rezende

(Pastor da Igreja Presbiteriana de Jales, Bacharel em Teologia, Licenciado em Pedagogia, Pós-Graduado em Docência Universitária, Mestre em Aconselhamento)

Desenvolvido por Enzo Nagata