quinta 13 maio 2021
Artigo

Envelheçam

MEDICINA/EVIDÊNCIA

A última entrevista concedida por Nelson Rodrigues deveria ter ficado célebre não pelo conselho dado aos jovens, mas por sua convicção a respeito da leitura. Ele disse ao repórter J. J. Ribeiro, do jornal “O Opiniático”, que “Deve-se ler pouco e reler muito”, frase que pode ser entendida como a necessidade de repensar nossas opiniões e de rever nossos conceitos frequentemente. Ambas colocações, geniais por natureza, refletem o comportamento da população, especialmente a de menor faixa etária, frente a pandemia de COVID-19.

A indisciplina e a rebeldia, as indeléveis marcas dos desprovidos de maturidade, têm levado hordas às ruas, aos bares e às baladas, em típico conflito de autoridade, colocando vidas exuberantes para duelarem com um inimigo até então tido como desprezível para os elementos dessa tribo. O SARS-COV2, que já foi ‘gripezinha’, ‘coisa de maricas’ e páreo fácil para pretensos ‘tratamentos’ precoces, de um momento para outro amadureceu e constituiu uma linhagem nova e inclemente exatamente para com os de menos idade, sendo batizada de VOC 202012/01

Enquanto os jovens resistem ao aprendizado, o inimigo aproveita seus vacilos e estende suas garras. A nova cepa já mostrou que, além de mais infecciosa, também os agride mais. Uma equipe de pesquisadores do Imperial College de Londres vinculados à Universidade de Edinburgh, investigou a relação entre a transmissão e a frequência dessa variante dentro do Reino Unido e percebeu a elevação da transmissão de 1.4 para 1.8 do R0 (uma pessoa infectada transmitindo para oito pessoas, ao invés de 4) em pessoas menores de 20 anos, apesar das severas medidas restritivas (lá também pouco respeitadas pelos jovens). A íntegra do documento (Report 42 - Transmission of SARS-CoV-2 Lineage B.1.1.7 in England) está disponível no site do Imperial College (https://www.imperial.ac.uk).

Os traços culturais marcam as diferenças entre os povos. Enquanto o Japão, cuja uniformidade de ações e obediência civil é inconteste, pôde acrescentar aos métodos tradicionais de bloqueio a dosagem de gás carbônico no ar ambiente, possibilitando até mesmo a reabertura das salas de cinema. Além disso, “ninguém no Japão gostaria de ser apontado como responsável pela transmissão do vírus” disse Hitoshi Oshitani, professor de virologia da Tohoku University School of Medicine para a BBC (https://www.bbc.com/). No outro extremo, o Brasil vislumbra um incremento de vítimas. Aqui o movimento que se vê não é nas filas para recebimento de vacinas, mas em esquinas movimentadas, em postos de gasolina (estes com o novo status de ‘point’ concorrido) e em festas clandestinas apoiadas por membros do judiciário, como a juíza de Direito Ludmila Lins Grilo, da vara Criminal e da Infância e da Juventude de Unaí/MG (Fausto Macedo in politica.estadao.com.br/blogs) ela também uma linda jovem que – talvez – precisasse reler alguns textos, como por exemplo o capítulo XX do “Espírito das Leis”, onde Montesquieu descreve “do castigo dos pais em lugar dos filhos”.

 Manoel Paz Landim

(Cardiologista, Mestre em Medicina pela FAMERP, Preceptor e Médico do Ambulatório de Hipertensão do Departamento de Clínica Médica da FAMERP, São José do Rio Preto)

Desenvolvido por Enzo Nagata